13 de mai de 2010

Inverso Espelhado

Eu me olhei
E ele me olhou.
Eu levantei um braço e acenei,
Assim como ele.
Parecíamos idênticos.
Cabelo, mãos, tronco, orelhas.
Mas havia uma diferença:
Ele sorria, e eu não.
Ele estava confiante, conformado.
Eu estava distante, confinado.
Era apenas um impostor,
Parecia feliz, enquanto eu sentia dor.

Sangue.
Escorria pela pia.
Ele também sangrava,
Não que isso sirva de consolo.
Mesmo ele sendo tão diferente de mim
Ele tem uma cara alegre
Enquanto eu sinto apenas tristeza.
Somos tão iguais, mas o sorriso o trai.
Nos cumprimentamos, apertando a mão um do outro.
E percebi que ele não era diferente de mim.
Ele sentia dor, escutava os gritos durante a noite.
A mesma dor, os mesmos gritos.
E a noite caiu, nos encaramos.
Olhos castanhos.
Tão iguais ao daquele que já se foi.
E o inverso de mim
É o mesmo do meu eu espelhado.

Um comentário: